Header Ads

Royal Aviation Group

Dentro de 24 horas de uma das piores tragédias aéreas do Chile, não há vestígios do avião Hercules de la Fach


Por La Prensa Australquarta-feira, 11 de dezembro de 2019


Uma das grandes incógnitas que cobrem esse acidente é que os pilotos experientes nunca deram uma
explicação radial de qualquer dano ou falha. De um momento para outro, o vôo não era conhecido.
Às seis horas da tarde de ontem, as primeiras 24 horas foram concluídas, uma vez que todos os contatos de rádio com a aeronave Hercules C-130 da Força Aérea Chilena que seguia para a Antártida foram perdidos, com 38 pessoas a bordo.
Mais tarde, às 13 horas da manhã, a instituição informou que a aeronave estava danificada, bem no meio da jornada.
O avião, operado pelo Grupo Nº 10 da instituição, decolou do aeroporto Carlos Ibáñez do campo de Punta Arenas na segunda-feira à tarde, às 16h55, e o primeiro sinal de que algo estava errado veio às 18h. , 17 horas em que o piloto não relatou sua passagem em um trecho da rota, perdendo todo contato radial com o avião, cuja aterrissagem em Marsh estava programada para 19,17 horas, conforme o plano de vôo.
No cronograma, 0,40 horas foram cruciais, porque foi o momento em que a aeronave ficou sem combustível e todas as esperanças de sobrevoar foram perdidas, conforme relatado pelo chefe da Quarta Brigada Aérea, general Eduardo Mosqueira .
Uma vez que todos os protocolos de busca foram ativados, na mesma segunda-feira à tarde, um avião Twin Otter decolou da pista do tenente Rodolfo Marsh, seguindo das alturas até o ponto em que o Hércules teria desaparecido.
Uma das grandes incógnitas que cobrem esse acidente é que os pilotos experientes nunca deram uma explicação radial de qualquer dano ou falha. De um momento para outro, o vôo não era conhecido. Não há registros de um alerta ou solicitação de ajuda prévia. O comandante informou na hora e local específicos, com 15 minutos para as seis da tarde, o que não aconteceu no próximo controle, quando ele estava sobrevoando o temido Drake Pass, a 25.000 pés. "Há momentos em que o piloto deve notificar e quando não entra em comunicação com a aeronáutica os alertas são ativados", explicou Mosqueira.
Ele admitiu que eles não tinham aviso de risco.
Voo de rotina
Esta foi uma viagem de rotina, de apoio logístico, composta pela revisão do oleoduto flutuante da base de combustível "e pelo tratamento anticorrosivo das instalações nacionais da região", afirmou o Fach.
Os ocupantes eram 38 pessoas, das quais 17 eram tripulantes da aeronave e 21 passageiros.
Assim que sofreram a perda de comunicações, a instituição declarou estado de alerta, ativando a saída de meios aéreos da Força Aérea, juntamente com uma equipe multidisciplinar de busca e resgate.
Sobre a experiência dos pilotos, ele destacou a preparação de todos eles, começando com o comandante do navio, Italo Medina Quiñónez, que viajou várias vezes para Punta Arenas, operando na área "uma equipe treinada para cumprir essas missões" , Mosqueira mencionou.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.